Desenvolvido especificamente para deficientes visuais, o Goalball é o único esporte paralímpico não adaptado. Foi criado em 1946, pelo austríaco Hanz Lorezen e o alemão Sepp Reindle, que tinham como objetivo reabilitar e socializar os veteranos da Segunda Guerra Mundial que ficaram cegos.
 
Durante os Jogos de Toronto (1976), a modalidade foi apresentada como um esporte de alto rendimento. Um salto de grande importância, que rendeu a oportunidade de entrar de vez na grade de programação paralímpica nos Jogos de Arnhem (1980) com a categoria masculina. A disputa feminina entrou quatro anos depois na edição de Nova York (1984). Dois anos antes, em 1982, a modalidade passou a ser gerenciada pela Federação Internacional de Esportes para Cegos (IBSA – sigla em inglês).
 
Em 1985, o professor Steven Dubner, do CADEVI, entidade de atendimento às pessoas cegas de São Paulo, apresentou a modalidade no Brasil. Entusiasmado, o professor Mário Sérgio Fontes levou para a ADEVIPAR, do Paraná. No mesmo ano realizaram o primeiro jogo entre duas associações. Dois anos depois, em Uberlândia, Minas Gerais, aconteceu o primeiro campeonato brasileiro, sob a supervisão do professor Mário Sérgio, presidente da antiga ABDC (Associação Brasileira de Desportos para Cegos). Desde 2011, a modalidade é administrada pela CBDV.
 

Força Paralímpica

O Brasil é uma das grandes forças da modalidade. No entanto, a primeira participação brasileira em Jogos Paralímpicos aconteceu em Atenas (2004), com as equipe feminina. A partir daquele momento o esporte não parou de crescer no país, e as seleções foram ficando cada vez mais fortes. Nos Jogos Paralímpicos de Pequim (2008), as seleções masculina e feminina representaram o Brasil. Mas o país começou a se tornar uma das grandes potencias no ciclo 2009/2012. Durante os Jogos Parapan-Americanos de Guadalajara (2011) foram duas medalhas conquistadas – ouro no masculino e prata no feminino. Um ano depois, o time masculino conquistou a inédita medalha de prata nos Jogos Paralímpicos de Londres (2012).
 
Em 2014, na cidade de Espoo, Finlândia, a seleção masculina conquistou o título inédito do Campeonato Mundial ao vencer os donos da casa por 9 a 1. Quatro anos depois, o bi viria em Malmö, na Suécia, com a vitória por 8 a 3 sobre a Alemanha. Nesta edição, as mulheres também fariam história com sua primeira medalha em Mundiais: o bronze. Nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto (2015) e Lima (2019), o Brasil foi campeão nas duas categorias, em duelos contra os Estados Unidos. Por fim, os rapazes conseguiram o ouro inédito na Paralimpíada de Tóquio 2020. Com as seguidas conquistas o país atingiu a liderança do Ranking Mundial no masculino. Atualmente, a seleção feminina é a sexta melhor do mundo.


Ranking Nacional

 

A CBDV possui um Ranking de Clubes cujas principais funções são: nortear a divisão dos grupos para torneios regionais; tornar público o número de equipes praticantes de cada modalidade; possibilitar às mesmas busca por patrocínios; incentivar a disputa; e coibir desistências de participação após o envio das inscrições.

Para a elaboração das listas, leva-se em conta resultados e participações nas competições regionais e nacionais (Séries A e B). As Supercopas não contam. Assim, cada participante recebe de cinco pontos (só pela participação em Regionais, por exemplo) a 100 (a máxima pontuação, dada a quem venceu um título de Série A).

O ranking é atualizado e divulgado duas vezes por ano, sendo a primeira no mês de julho, após o término das competições regionais, e a segunda em dezembro, encerrados os eventos nacionais. Todas as equipes participantes de competições desde 2011 estão ranqueadas. A partir de dezembro de 2022, quem completar cinco ou mais anos sem disputar um evento oficial do calendário estará automaticamente excluído do ranking. Além disso, em caso de alteração de CNPJ do clube, os pontos já obtidos não serão considerados e a pontuação começará do zero.


CLIQUE AQUI para acessar o Ranking Nacional de Goalball Feminino.

CLIQUE AQUI para acessar o Ranking Nacional de Goalball Masculino.



Notícias do Goalball

Time conquista títulos do Sudeste 2 no feminino e masculino; veja como foram as finais deste sábado em São José dos Campos

Sesi faz dobradinha e se isola como maior campeão regional de goalball

Time conquista títulos do Sudeste 2 no feminino e masculino; veja como foram as finais deste sábado em São José dos Campos

No masculino, time encara o Santos em tira-teima: até hoje, cada um ganhou três vezes o torneio; meninas pegam novatas do Athlon

Sesi coloca os dois times na disputa pelo ouro do Regional Sudeste 2

No masculino, time encara o Santos em tira-teima: até hoje, cada um ganhou três vezes o torneio; meninas pegam novatas do Athlon

Atual campeão no feminino e masculino, Sesi avança em primeiro nas duas categorias; rodada define também vagas nas Séries A e B

Definidos os semifinalistas do Regional Sudeste 2 de goalball

Atual campeão no feminino e masculino, Sesi avança em primeiro nas duas categorias; rodada define também vagas nas Séries A e B

Projeto nasceu do empenho de uma educadora que ensinava dança para pessoas com deficiência visual; veja como foi o segundo dia

Time de Bauru dá os primeiros passos no goalball regional

Projeto nasceu do empenho de uma educadora que ensinava dança para pessoas com deficiência visual; veja como foi o segundo dia

João Pedro Ferreira larga arbitragem para comandar equipe da ADV-Vale no Regional Sudeste 2; confira resultados do primeiro dia

Ex-árbitro troca apito pela prancheta e conduz Taubaté no goalball

João Pedro Ferreira larga arbitragem para comandar equipe da ADV-Vale no Regional Sudeste 2; confira resultados do primeiro dia

Voltar ao topo